Informação é chave! 5 dicas para conviver melhor com o TDAH

Informação é chave! 5 dicas para conviver melhor com o TDAH

Viver com o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade não e fácil, seja você um paciente, alguém que convive ou ama uma pessoa com o transtorno. Além dos impactos causados pelos sintomas, a desinformação alheia sobre o TDAH pode ser outra barreira para quem busca qualidade de vida e inserção social.

Hoje em dia, com os diversos recursos e cuidados disponíveis, é possível viver com qualidade, independentemente dos sintomas do TDAH e da fase da vida de cada paciente. Para isso, além do apoio de uma equipe multidisciplinar, é preciso muita informação!

Confira aqui alguns passos que poderão ajudar a conviver melhor com o TDAH:

1. Siga o tratamento corretamente! Após o diagnóstico do TDAH, viver com qualidade depende da adesão ao tratamento recomendado pelo médico. Como geralmente é utilizado o tratamento multimodal, que consiste em diferentes abordagens terapêuticas simultâneas, é natural que o tratamento do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade exija disciplina e dedicação dos pacientes – no caso de crianças e adolescentes, inclusive de seus pais, educadores e familiares. Mas o controle dos sintomas pode ser recompensador! Se você estiver enfrentando algum desafio para seguir o tratamento proposto, converse com seu médico e com outros profissionais de saúde envolvidos. Somente eles poderão fazer algum ajuste e encontrar a melhor solução para seu caso.

2. Não tenha vergonha do TDAH! O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade é uma doença neurológica bastante prevalente, que atinge cerca de 5 a 8% das crianças1 e, muitas vezes, se prolonga pela adolescência e vida adulta.2 Se você ou alguém que você ama faz parte desse grupo, não há razão alguma para sentirem vergonha. Muitas doenças neuropsiquiátricas – como a epilepsia, o transtorno bipolar e a depressão – infelizmente ainda não são plenamente compreendidas por parte da população. Há inúmeras sociedades médicas e associações de pacientes atuando na conscientização sobre essas doenças, para quebrar os estigmas existentes. Mas lembre-se: a decisão de contar sobre o diagnóstico e tratamento do TDAH é individual.

3. Não deixe que a opinião de outras pessoas prejudique o seu tratamento. Ainda quanto à desinformação alheia, o mais importante é não deixar que ela atrapalhe seu tratamento e a sua qualidade de vida. O que você faz para manter a sua saúde – ou a do seu filho – só diz respeito a vocês. Não interrompa o tratamento ou deixe que a opinião de outras pessoas atrapalhe o controle do TDAH. Na dúvida, converse com o seu médico de confiança antes de tomar qualquer decisão.

4. Não acredite em tudo o que lê, ouve ou assiste sobre o TDAH… Como qualquer outro tema, há pessoas com opiniões muito divergentes sobre o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, seu diagnóstico e tratamento. Por isso, você deve colocar tudo o que lê escuta e assiste em perspectiva. Procure focar nos canais e pessoas em que você confia, em especial naqueles que são especializados, como os profissionais de saúde. Lembre-se que mesmo as pessoas com boas intenções podem estar desinformadas.

5. Busque alternativas para viver com mais saúde e qualidade de vida. Os sintomas do TDAH podem de fato impor alguns constrangimentos e muitos desafios para crianças, adolescentes e adultos. Por isso, se você tem transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, utilize todos os recursos que estão à sua disposição para viver com mais qualidade. Seja um aplicativo no celular para sua organização e melhor gerenciamento dos horários; o apoio de um amigo mais próximo na sala de aula ou no trabalho; ou técnicas específicas de um profissional de saúde… Não subestime as diferenças que esses recursos podem trazer para seu dia a dia. Se tiver uma dificuldade específica e não souber para quem recorrer, converse com seu médico, ele poderá te ajudar a achar uma alternativa!


Referências
1. Site da Associação Brasileira de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Disponível em http://www.tdah.org.br/br/artigos/textos/item/964-entenda-o-tdah-nos-crit%C3%A9rios-do-dsm-v.html. Último acesso em 13 de agosto de 2015.
2.Wilens TE, Faraone SV, Biederman J. Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder in Adults. JAMA. 2004;292(5):619-623.

Conteúdo

Relacionados|Mais lidos

Saiu na Mídia

Conteúdos Relacionados